7 Dicas para uma Carteira Administrada ter mais rentabilidade nos investimentos

Imagine um serviço de gestão de investimentos no qual o investidor contrata um gestor para atuar de maneiras especifica sobre os seus recursos financeiros, podendo pensar, de forma bastante especial, na sua estratégia de investimento, com alocações diversificadas e um rebalanceamento cada vez que for necessário…

Imaginou? Então, mesmo que indiretamente, você pensou na Carteira Administrada.

É importante notar que a Carteira Administrada é um serviço e não um produto. Portanto, não é como você ir ao banco e contratar uma Letra de Crédito – LCI/LCA – ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário). Esses sim são produtos bancários e financeiros.

Aqui vale ainda fazer uma importante ressalva. Note as seguintes diferenças:

  • Produtos – LCI, LCA, CDB, Títulos Públicos, Debêntures, Ações
  • Serviços – Consultoria, Carteira Assinada

Mas, e onde entram os Fundos de Investimentos ou mesmo os Clubes de Investimentos?

Bem, se você se fez essa pergunta, você é uma pessoa muito antenada no setor financeiro.

E a resposta é fácil: entra nos dois campos – logo, é um produto porque é vendido pelos bancos e instituições e é focada em um (ou mais) investimento, por outro lado, é também um serviço, já que tem a consultoria de gestores específicos.

No fim das contas, os fundos de investimentos são produtos que incluem a gestão.

  • Mas, há uma grande diferença!

A consultoria, aquelas prestada nos fundos, consistem em serviços de diagnósticos e orientação. Logo, se você está em fundo, o gestor dele é quem vai fazer as escolhas que julgar mais sensata.

No caso de uma Carteira Administrada, que inclui etapas de diagnósticos e orientação, o serviço é considerado de execução, onde o gestor não apenas diz o que vai fazer e pronto, mas sim pede sua autorização para gerir tais recursos que são de direito seu.

Como ter uma Carteira Administrada?

Para ter uma carteira administrada, você precisa seguir 3 passos simples:

1 – Ter uma conta aberta em uma corretora de investimentos, para onde serão enviados os seus recursos,

2 – Assinar um contrato com um gestor de recursos, que vai estabelecer a política de investimento,

3 – Ter uma procuração, que é a autorização formal e tem que ir junto com o contrato, que vai, por sua vez, informar que existe uma autorização para que um gestor compre e venda ativos direto da sua conta, mas dentro dos limites propostos.

Reprodução: Google

Ainda que seja muito parecida com os fundos de investimentos, a carteira administrada, de uma forma geral, permite que você acesse a informações mais detalhadas sobre a composição e todas as informações.

Inclusive, com as operações realizadas e quando elas aconteceram, com custos que foram envolvidos, ganhos ou perdas.

Outro grande detalhe é que nesse tipo de investimento, o investidor poderá ter acesso à qualquer investimento que compraria sozinho, desde que seja combinado com o gestor.

Com isso, note que quem opta pela carteira administrada, não ficará totalmente a mercê do gestor, já que no contrato devem estar constados os ativos que são permitidos, assim como os limites aplicáveis.

Características de uma Carteira Administrada

Para ter a carteira administrada por um gestor exclusivo, o investidor precisa arcar com alguns custos, como o da corretora, dos ativos (custódia e corretagem) e a taxa de performance.

Mas, não se assuste, mesmo assim, os custos totais da carteira acabam sendo muito próximos com as de um fundo de investimento.

Já quando a liquidez, o prazo de resgate dessa carteira vai depender dos ativos escolhidos. Sendo que o investidor, através do gestor, pode optar por opções que sejam resgatadas em até 15 dias ou em ativos maiores do que meses.

Referente à tributação, cada ativo tem o seu próprio tributo, principalmente quanto ao Imposto de Renda, que vai seguir suas próprias regras e alíquotas.

Esse é o grande detalhe da carteira administrada porque se o gestor optar por fazer muitas transações entre a compra e venda de ativos com muita frequência, provavelmente, haverá a cobrança de Imposto de Renda mensalmente, o que pode se tornar um grande problema para a rentabilidade final.

7 Considerações Finais sobre a Carteira Administrada

De forma geral, as desvantagens são duas:

1 – custos e acesso, já que sempre foi considerado um serviço mais caro, dedicado aos grandes investidores e com prazos mais longos, de 2 anos e

2 – burocracia, já que nem todos os ativos contam com a retenção do IR na fonte, sendo necessário um guia mensal.

Já do lado positivo, podemos destacar 5 pontos:

1 – Serviço Completo: com a definição da política de investimento, transação de ativos e o rebalanceamento da carteira,

2 – Transparência: já que o investidor sabe onde está investindo,

3 – Gestão Profissional: as decisões ficam na mão de um gestor,

4 – Sem Intermediários: os ativos são comprados em seu nome, sem que haja o investimento em cotas,

5 – Customização: tem uma estrutura personalizada, que permite políticas alinhadas ao perfil do investidor.

Com informações da verios