Os 3 Principais Motivos para Você Investir Dinheiro na Renda Fixa agora mesmo!

A Renda Fixa é aquele tipo de investimento que possui remuneração ou retorno do capital que foi investido de maneira já dimensionada no momento em que ele é contratado.

Assim, na pior das hipóteses, o investidor sabe que a rentabilidade irá acompanhar algum índice indexador – diferente com o que acontece no mercado acionário.

Por isso, esse tipo de aplicação financeira é totalmente indicada para os investidores mais conservadores, que não gostam de correr os riscos da BM&FBovespa – bolsa de valores brasileira – ou também para aqueles acionistas que querem ter uma diversificação na carteira, já que traz menor risco do que as ações.

A Renda Fixa garante ao investidor o ganho de capital, desde que ele cumpra a sua parte do contrato, que é deixar o dinheiro investido por certo período de tempo.

Já na renda variável, não há essa garantia, o que faz com que o investidor tenha grandes chances de ganhar muito dinheiro, mas também de perdê-lo, dependendo de como o mercado agir.

Dessa forma, a Renda Fixa se divide em duas categorias:

  1. Rendimentos Prefixados: que são aqueles que têm a rentabilidade nominal, ou seja, o investidor já conhece previamente a sua taxa de retorno, sabendo, inclusive, qual valor será acertado ao final da aplicação,
  2. Rendimentos Pós-Fixados: é o tipo de investimento onde só se conhece a rentabilidade final na data do vencimento, sendo que ela pode variar conforme algum índice indexador, como a Selic ou qualquer outro.

Por sinal, aqui está a resposta do artigo – Os 3 Principais Motivos para Você Investir Dinheiro na Renda Fixa agora mesmo são:

  1. A certeza da rentabilidade ao final da aplicação,
  2. A segurança e garantia do investimento,
  3. A variedade de opções (tempo, rentabilidade, capital inicial, taxas…).

Como Investir na Renda Fixa?

O mercado de renda fixa é muito amplo, mas, de forma geral, se divide em três categorias: os produtos bancários (CDB, LCI, LCA), os títulos públicos (Tesouro Direto) e os Títulos Privados (Debêntures, RDBs, Títulos de Crédito).

Por serem de renda fixa, esses investimentos quase não apresentam riscos de perda na rentabilidade, apenas o risco de crédito, que também é minimizado.

Por exemplo, no caso dos produtos bancários, há a garantia do Fundo Garantidor de Crédito, que faz a cobertura de até 250 mil reais de cada investidor. No caso dos títulos públicos, o garantidor é o próprio governo federal e nos títulos privados, há legislações que garantem o negócio.

E para investir em cada uma dessas opções de renda fixa, será preciso se ordenar em alguns aconselhamentos.

Nos bancos, será preciso ter uma conta bancária; nos títulos públicos, é necessário ter aberto uma conta em alguma corretora de investimentos e no caso das empresas privadas, basta enviar dos documentos pessoais.

Como a gama é muito grande, o ideal é ter em mente o objetivo financeiro e o prazo dele.

Reprodução: Google

Quando investir na Renda Fixa

Por serem mais seguras, as aplicações da Renda Fixa rendem menos do que as opções da renda variável (mas, nem sempre), portanto, o mais indicado é que os dinheiros aplicados nesses investimentos sejam os pensado em médio ou longo prazo.

Logo, se você quer monetizar e aumentar de patrimônio muito rapidamente, vai precisar buscar conhecimento sobre o mercado acionário, que é o mais indicado para esse caso.

Quanto à Renda Fixa, o investidor pode destinar o seu dinheiro em várias aplicações, conforme suas ideias.

Para se ter uma ideal, pensando a longo prazo, na aposentadoria, os títulos públicos costumam ser os mais indicados. Já para quem não quer pagar o imposto de renda, há a opção do produto bancário chamado Letra de Crédito.

Quanto à isenção do imposto de renda, também há os créditos privados, que são investimentos em infraestrutura (por exemplo) e que não tem a incidência do imposto federal justamente porque é uma forma de o governo incentivar tal ação.

E assim por diante.

O mais importante é notar que a renda fixa é usual de todos os investidores e a forma mais concreta de manter o patrimônio seguro. Mesmo para quem investe em ações, parte do patrimônio fica “guardado” nas rendas fixas.

Tanto é que a opinião geral dos analistas dizem que “a renda fixa costuma ter a melhor relação entre risco/retorno do mercado financeiro”.

Com informações do queroficarrico e infomoney