Investir em Debêntures é opção para diversificar e manter a segurança da carteira de ativos

Investir em debêntures é uma das opções de monetizar os investimentos.

No entanto, apesar de não ser uma das mais democráticas formas entrar no mercado financeiro, esse investimento é de fácil explicação: são títulos de crédito privado onde os investidores são credores da empresa, que vão receber juros de tempos em tempos, além do pagamento principal.

Esse investimento também tem vencimento de títulos ou pode ser feito meio a amortizações, que é quando são pagos partes antes do vencimento, conforme contrato da “Escritura de Emissão”.

De forma geral, a emissão de debêntures é privada e provém da assembleia geral dos acionistas, que fixam as condições e os critérios das emissões.

Quando a companhia é aberta, tudo é feito pelo Conselho de Administração, que podem, inclusive, converter em ações (ou não), conforme estatutos.

Quando as debêntures são convertidas em ações, elas podem ser classificadas como simples ou conversíveis, sendo que neste último caso há a posse de cláusulas ao termino do prazo, conforme escritura.

Assim sendo, as debêntures podem ser negociadas na Bolsa de Valores Brasileira – BM&FBovespa, em mercado de bolsas ou balcão organizado.

No Brasil, os maiores compradores das debêntures são chamados de investidores institucionais, justamente por serem os grandes bancos, os fundos de pensões e as seguradoras, além de alguns investidores estrangeiros e os individuais.

As Garantias dos Debêntures

Uma das principais questões que afastam os investidores dos investimentos em debêntures é a falta de segurança que eles sentem quanto à aplicação. No entanto, existem dois pontos que precisam ser observados:

  • Garantia Real: envolvendo o comprometimento de bens ou direitos que não poderão ser negociados sem a aprovação dos debenturistas, para que a garantia não fique comprometida,
  • Garantia Flutuante: assegura o privilégio geral sobre o ativo da emissora, mas não impede a negociação dos bens que compõe esse ativo.

Vale dizer que também existem dois tipos de emissões sem garantia: as Quirografárias (debêntures sem privilégio) e as Subordinadas. Nesses dois casos, não há a garantia se houver liquidação as empresas.

Com isso, é importante saber também que os principais fatores de risco devem estar dispostos durante a compra, sendo que é na Escritura que estão todos os direitos e as garantias.

Além disso, também é possível exigir um Relatório de Classificação de Risco, que é um documento que mostra a capacidade da empresa de honrar suas obrigações.

Por que é vantajoso para as empresas emitir debêntures?

Porque os juros pagos aos investidores são bem menores do que se a empresa fizesse um empréstimo ou financiamento. Assim, é possível notar que as debêntures são exatamente como um empréstimo, na qual o aplicador receberá todo seu valor de volta acrescido de juros.

Reprodução: Google

Assim como pode ser vantajoso para a empresa, pode ser também para o investidor, que pode escolher o prazo do investimento, sendo que quanto maior for, maior será a rentabilidade.

E, além disso, o tamanho e a consolidação da empresa também é importante porque ela pode ter resultados positivos ou negativos conforme o mercado e o setor em que atua.

Cada empresa tem um rendimento, uma projeção de mercado, taxas e o investidor deve escolher aquela que mais faz sentido.

Por que investir em debêntures?

As debêntures são investimentos de renda fixa, que tem como principal característica a remuneração do investimento de forma conservadora, diferente do que acontece com as ações, que são investimentos mais voláteis.

Normalmente, elas são usadas como forma de diversificar os investimentos e torna-lo mais rentável. Assim, muitos acionistas da bolsa de valores, encontram motivos para aumentar a segurança da carteira de investimentos nas debêntures.

Isso sem contar ainda com o fato de que as empresas, de forma geral, para conseguir captar recursos, oferecem bons rendimentos no final da aplicação, que podem ficar, inclusive, acima da média de outros da renda fixa.

E qualquer pessoa pode investir em debêntures, desde que tenha em mente o mínimo a ser investido. Em alguns casos, esse valor é de 1 ou 2 mil reais e em outros podem ultrapassar 100 mil reais.

Com informações do portaldoinvestidor e londoncapital